Aneurismas da Aorta

Dr. Vitor Cervantes Gornati

Aneurismas são dilatações maiores que 50% do diâmetro normal de uma artéria.

Qualquer pessoa pode ser acometida, mas eles são mais comuns em homens, em fumantes, em indivíduos com mais de 60 anos, em quem tenha colesterol elevado e com história de alguém na família portador de aneurisma.

A origem destas dilatações pode ser uma alteração congênita que curse com o enfraquecimento da parede arterial, como no caso de algumas síndromes, ou secundário a certas doenças que também provoquem o enfraquecimento, como inflamações, infecções, traumatismos ou degeneração da camada média da artéria, sem dúvida a mais frequente, causada pela famosa aterosclerose, o depósito de gordura na parede arterial.

O aneurisma pode ocorrer em qualquer artéria, mas o local mais comum de desenvolvimento de aneurismas é a aorta abdominal. A pressão sanguínea em seu interior causa dilatação progressiva na já enfraquecida parede arterial. Em seguida, aumenta cada vez mais a dilatação, muitas vezes progredindo para graves complicações, e até a morte por ruptura do aneurisma.

Na maioria dos casos, o portador do aneurisma é assintomático no início, com os sintomas aparecendo apenas tardiamente, na forma de isquemia dos membros, dor pela expansão aguda ou da rotura, em decorrência da hemorragia interna.

Consideramos que a partir de 5 a 5,5 cm de diâmetro, todo aneurisma da aorta abdominal deva ser tratado, de forma a evitar suas complicações. Isso porque a probabilidade de um aneurisma se romper é diretamente proporcional ao seu diâmetro.

O diagnóstico inicial pode ser realizado, na maior parte das vezes, apenas pelo exame físico. A simples palpação arterial pode evidenciar a dilatação. Quando não, exames como a ultra-sonografia, tomografia computadorizada, ressonância magnética ou arteriografia, vão confirmá-lo e possibilitar o planejamento da correção.

A ruptura de aneurisma da aorta é a 14ª causa de morte nos EUA. Essa patologia tem portanto, grande importância e o sucesso do tratamento – seja ele o acompanhamento ou a correção cirúrgica – depende fundamentalmente do diagnóstico precoce. Só desta forma, caso haja necessidade de cirurgia, a operação poderá ser melhor planejada e executada antes da rotura, por uma equipe experiente de Cirurgiões Vasculares.

Procure seu Cirurgião Vascular!

Start typing and press Enter to search